Estado do Mato Grosso proíbe pessoas com HIV e diabetes de participar de concurso da segurança

340 1
Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Da Gazeta Digital 

Vitória Lopes

vitoria@gazetadigital.com.br

O edital do concurso para forças da Segurança Pública de Mato Grosso, publicado na última quarta-feira (5), classificou como condição incapacitante, ou seja, que desclassifica o candidato, ter doença sexualmente transmissível (DST) e diabetes e outras situações. Além disso, o exame de HIV também será cobrado. Para a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso, a exigência parece ser discriminatória.

O concurso foi publicado no Diário Oficial. O quinto anexo dispõe sobre condições incapacitantes para participação do edital, listando uma série de doenças e outras informações que desclassificariam um candidato. De acordo com o texto, doença sexualmente transmissível em atividade seria uma condição incapacitante.

“Aparelho gênito-urinário: anormalidades congênitas ou adquiridas da genitália, rins e vias urinárias; tumores, infecções e outras lesões demonstráveis em exame de urina; criptorquidia; varicocele volumosa e/ou dolorosa; doença sexualmente transmissível em atividade”, diz trecho do certame.

Além da IST, diabetes também poderia desclassificar um candidato. “Doenças metabólicas e endócrinas: diabetes melito, tumores hipotalâmicos e hipofisários; disfunção hipofisária; disfunção tiroidiana sintomática; tumores da tiróide, exceto cisto insignificantes e desprovidos de potencialidade mórbida; tumores de supra-renal e sua disfunção congênita ou adquirida; hipogonadismo primário ou secundário; distúrbio do 32 metabolismo do cálcio e fósforo, de origem endócrina; erros inatos do metabolismo, crescimento e desenvolvimento anormais, em desacordo com a idade cronológica”.

Outro ponto sobre o edital diz respeito à quantidade de dentes que o candidato deve ter para prestar o concurso. “Não possuir 24 elementos dentários, tolerando-se dentes artificiais (coroas, pontes fixas e móveis), sendo um mínimo de 18  dentes hígidos e/ou restaurados”, determina.

Nos exames laboratoriais requeridos para o concurso, inclui também um exame de Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV).
De acordo com o presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Mato Grosso (OAB-MT), Flávio Ferreira, os pontos do edital são de caráter abusivo e discriminatório.

“Não tem como uma questão dessa comprometer o trabalho do servidor público. Entendo que todo concurso público exige algum momento do candidato um exame de saúde, mas essas questões ‘detalhadas’ dessa maneira, eu vejo com muito risco para o edital”, explica.

Segundo o presidente, somente um médico pode avaliar com precisão se o candidato é apto ou não para o cargo. Caso contrário, seria só uma forma de discriminar uma pessoa pela sua condição de saúde. “Tem gente que tem diabetes desde a infância e não pode fazer o concurso público?”, questiona Flávio.

“As pessoas podem ter outras comorbidades e fazer o edital. Eu entendo que o exame é necessário, todo edital tem que trazer detalhes o que é doença ou não doença, mas parece discriminatório”, afirma.

O presidente do Grupo Livremente, Clovis Arantes, lembrou que cobrar exame de HIV em relações empregatícias é crime. Em 2014, foi criada a Lei nº 12.984, estabelecendo como crime a discriminação às pessoas vivendo com HIV e AIDS.

O certame contemplará 11 diferentes cargos destinados à Policia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Judiciária Civil e Politec. Todas as vagas exigem Ensino Superior Completo e serão para cadastro de reserva, no entanto, o governador Mauro Mendes (DEM) anunciou que pretende nomear 1.200 novos servidores em 2022.

Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

1 comentário on "Estado do Mato Grosso proíbe pessoas com HIV e diabetes de participar de concurso da segurança"

  1. Cláudio José M vilarins

    Brasil das incoerências. Previdência não considera mais como incapacitante. Tanto que aplicando-se uma lei de revisão de 94 , e com a reforma da previdência, muitos pares perderam suas aposentadorias,e ou benefícios e loas. Depois dessa revisão,muitos estão a passar necessidades. Como Uma pessoa depois de 18 anos poderia voltar ao trabalho ,onde suas empresas não existem mais ou são fora do seu estado!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.