Ministério da Saúde exclui HIV da caderneta de saúde da criança

1089 0
Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Processo da RNP+ Amazonas foi resolvido em conversa com ex-ministro da Saúde

O Ministério da Saúde (MS) alterou o registro de informações sobre gravidez, parto e puerpério relativos às sorologias realizadas no pré-natal e às sorologias maternas realizadas ainda na maternidade para os agravos à saúde.

O ofício-circular nº 9/2019/CGSCAM/DAPES/SAS/MS, de 27 de março de 2019, da Coordenação de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, formalizou a exclusão da revelação da exposição da criança ao HIV e a sorologia da mãe enviado às coordenações estaduais, municipais e distrital da criança.

Segundo o documento do MS, não devem mais ser apontadas na Caderneta de Saúde da Criança “informações relacionadas ao CID 10 – Z 21 (HIV) nos tópicos pré-natal e parto/pós-parto, na página dos dados sobre gravidez, parto e puerpério, da edição 2019 da Caderneta de Saúde da Criança, assim como da edição intersetorial da Caderneta da Criança”, lançada posteriormente.

A retirada da informação sobre a sorologia do HIV (Z 21) da Caderneta de Saúde da Criança ocorreu em cumprimento à Lei nº 12.984/2014, que define como crime a discriminação às pessoas vivendo com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e doentes de aids. “Orientamos também que essas informações sejam registradas apenas no prontuário clínico da mãe e da criança nos serviços de saúde, onde os mesmos foram atendidos.”

A preservação do sigilo da criança e da mãe, prevista em lei, crime que estava sendo cometido há anos pelo Estado brasileiro.

AMAZONAS
A retirada ocorreu após três momentos distintos. O primeiro, depois que a representante estadual da RNP+ no Amazonas – atualmente também Secretária Nacional de Informação e Comunicação da RNP+BRASIL – Vanessa Campos, denunciou a violação Estatal às PVHA e à Lei 12.984/14, durante o VII Encontro Nacional da RNP+, realizado em 2017, em Fortaleza.

Vanessa Campos e Maurício Viana, com a representação da RNP+AM sobre exposição do HIV protocolada no MPF-AM, em março de 2018

Naquele evento, foi deliberado que a própria representante estadual liderasse a reivindicação para que a mudança ocorresse.

O advocacy – a representação protocolada no Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas – talvez fosse impossível sem o auxílio profissional do advogado Maurício Viana (na foto ao lado com Vanessa), parceiro da RNP+AM.

Também foi fundamental a interlocução da médica sanitarista Adele Benzaken, então diretora do extinto Departamento de IST, Aids e Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde, junto ao também então ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Vanessa Campos estava em Brasília em novembro de 2018, para o lançamento da Campanha do 1º de Dezembro, Dia Mundial de Luta contra a AIDS. Com o apoio da Dra. Adele Benzaken, conseguiu expor a reivindicação ao ministro, relatando a questão do CID 10 Z21 na Caderneta de Saúde da Criança e do inquérito civil público que a RNP+AM já havia protocolado no MPF-AM. Ao entender a legitimidade da causa, o ministro deu autonomia à Dra. Benzaken para encaminhar a devida alteração ao setor competente.

É importante que as representações da RNP+ em todos os estados e municípios em que está organizada cobrem dos gestores da saúde o devido cumprimento à determinação dada pelo Ministério da Saúde de não mais anotar o CID 10 Z21 na Caderneta de Saúde da Criança.

Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Nenhum comentário on "Ministério da Saúde exclui HIV da caderneta de saúde da criança"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.