Risco Zero: nenhuma transmissão de pessoas com carga viral indetectável é observada no estudo PARTNER

7809 0
Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

As chances de ser observada uma transmissão agora são ainda menores, mas mais dados são ainda necessários em homens gays, dizem pesquisadores

Traduzido/adaptado por Jorge A. Beloqui (GIV, ABIA, RNP+) de Gus Cairns, aidsmap, 19 de julho de 2016

O estudo PARTNER há dois anos foi manchete de jornal ao estabelecer que a chance de uma pessoa HIV-positiva com carga viral indetectável transmitir seu vírus era muito baixa e muito possivelmente zero. Novos dados divulgados na 21ª Conferência Internacional de AIDS (#AIDS2016), em Durban, refinaram ainda mais essa estimativa.

Em 2014, o estudo não encontrou transmissão alguma do HIV entre 767 casais sorodiferentes, quando o parceiro HIV-positivo tinha uma carga viral inferior a 200 cópias/ml. O número de relações sexuais sem preservativo entre eles foi estimado em 44.400.

A última estimativa inclui 888 casais, 38% deles formados por homossexuais masculinos, que foram acompanhados por 1.238 casal-ano completamente (1,6 anos por casal em média), o que abrangeu um número estimado de 58.213 atos sexuais – 31% a mais que em 2014.

O estudo envolve 75 clínicas em 14 países europeus. Os exames de sangue e dados comportamentais são coletados em um período de cada quatro a seis meses. Para ser elegíveis para o estudo, durante cada período de 4-6 meses, o casal tem de informar o sexo sem preservativo com o outro, sem o uso de PEP ou PrEP, pelo menos uma vez durante este tempo, e o parceiro soropositivo tem de manter uma carga viral abaixo de 200 cópias/ml. Apenas 55 dos 888 parceiros HIV-positivos (6,2%) relataram uma carga viral detectável em algum ponto no estudo.

A carga viral auto-informada tendia a subestimar a supressão viral: 6% dos homens homossexuais, 13% dos homens heterossexuais e 16% das mulheres pensavam ter carga viral detectável ou não a conheciam quando era, de fato, indetectável.

Zero transmissão
A falta de transmissões, obviamente, significa que a menor estimativa da probabilidade de um parceiro soropositivo indetectável transmitir o HIV é zero. Mas, quanto mais tempo e maior número de atos sexuais forem incluídos, a estimativa superior da probabilidade de transmissão cai, simplesmente porque a precisão da estimativa aumenta – o quadro retratado pelos dados fica menos confuso, por assim dizer.

Assim, em 2014 a estimativa superior da probabilidade de transmissão entre casais através de qualquer relação sexual foi de 0,5%; os novos dados restringem o “limite superior do intervalo de confiança” a 0,3%. Mas é importante ter em mente que, como disse a pesquisadora Alison Rodger, que zero transmissões significa que “a taxa estimada de transmissão é zero”.

Analogamente, a estimativa superior da probabilidade de transmissão por via sexual anal se reduz de 1,0% para 0,71% ao ano em todos os casais e 0,89% em homens homossexuais (aliás, os heterossexuais contribuíram com 20% das 522 casais-hora de sexo anal no estudo). E isto não significa que a transmissão por sexo anal seja mais provável em homens homossexuais do que em homens heterossexuais: é simplesmente que, à medida em que o número de casais-ano que fornecem dados fica menor, o quadro estatístico fica mais confuso.

Analogamente, o limite superior para a estimativa para a transmissão através de sexo anal, quando o parceiro negativo era o homem em casais heterossexuais e do parceiro insertivo em casais homossexuais foi de 0,88% em todos os casais e de 1% em casais homossexuais.

Houve 11 novas infecções pelo HIV nos parceiros HIV-negativos durante o estudo: dez em homens gays e um em heterossexuais. Mas o sequenciamento genético mostrou que em todos os casos, o vírus adquirido pelo parceiro HIV-negativo foi bem diferente do vírus do seu parceiro – em dois casos, era um subtipo do HIV completamente diferente. Oito das onze pessoas que foram infectadas relataram que tinham tido sexo sem preservativo recentemente com alguém fora da relação principal.

O maior número de infecções em homens gays não constitui surpresa alguma; 33% deles relataram sexo sem preservativo com pessoas fora do relacionamento versus 4% dos heterossexuais, e 17,5% dos homens homossexuais foram diagnosticados com uma IST (infecção de transmissão sexual) aguda no último período informado em comparação com 6% dos heterossexuais.

“Com base nestes dados”, a apresentadora Alison Rodger do Hospital Royal Free de Londres, comentou: “Nós podemos dizer com segurança razoável que a chance de transmissão de uma pessoa HIV-positiva com supressão viral durante o sexo heterossexual é insignificante”. “No entanto”, acrescentou, “nós precisamos recolher mais dados sobre os homossexuais antes de afirmar isto com igual grau de certeza”.

O estudo PARTNER continuará até 2017 e os dados finais serão apresentados em 2018; a menos que uma transmissão inesperada venha a acontecer, isso deve reduzir ainda mais a nossa incerteza sobre as verdadeiras possibilidades de transmissão por alguém com uma carga viral indetectável.

Referência
Rodger A. Associação entre a atividade sexual sem preservativo e o risco de transmissão do HIV em casais sorodiferentes quando o parceiro HIV-positivo está usando a terapia antirretroviral supressiva: o estudo PARTNER. AIDS2016, Durban, África do Sul. TUAC0206 abstract.

Compartilhe este artigo:Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Nenhum comentário on "Risco Zero: nenhuma transmissão de pessoas com carga viral indetectável é observada no estudo PARTNER"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.